terça-feira, 1 de maio de 2012

PECADOS DE FAMÍLIA X MALDIÇÃO HEREDITÁRIA. Qual desses assuntos tem respaldo bíblico?



Se você me perguntar: Qual a diferença de um assunto para o outro? A diferença é que enquanto o primeiro assunto tem respaldo bíblico o outro não tem.

A palavra “maldição” na perspectiva bíblica não se refere ao nosso entendimento brasileiro de “feitiço mau”. Esse entendimento neopentecostal de maldição é um anacronismo sincrético (confusão de crença religiosa). Esta palavra “maldição” quer dizer outra coisa nas línguas originais da Bíblia. Seus significados: Destruição, difamação/calúnia, maldizer, condenação (juízo), desgraça (ausência da graça). Exemplos: Maldizer, calúnia/difamação (Tg.3.9); destruição (Hb.6.8); condenação/julgamento (Gl.3.10,13); desgraça (Ap.22.3).

Ninguém pode destruir (amaldiçoar) plenamente uma pessoa a não ser Deus: “Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo”. (Mt.10.28). E nem julgar ou condenar (amaldiçoar): “Um só é Legislador e Juiz, aquele que pode salvar e fazer perecer; tu, porém, quem és, que julgas o próximo?” (Tg.4.12). “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também”. (Mt.7.1,2). As pessoas falam mal ou maldizem (amaldiçoam) do próximo. Porém, Deus não aprova quem faz isso: “Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Aquele que fala mal do irmão ou julga a seu irmão fala mal da lei e julga a lei; ora, se julgas a lei, não és observador da lei, mas juiz”. (Tg.4.11). Também diz: “Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: ... nem maldizentes... herdarão o reino de Deus”. (1Co.6.9,10). Por isso amaldiçoar no sentido de maldizer é pecado.

Quando a Bíblia diz: “A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto”. (Pv.18.21). Não tem base nenhuma para o que o neopentecostalismo ensina sobre maldição. A palavra “poder” nesse texto está no hebraico “yad” que é uma figura ou linguagem figurada de poder. Não há poder espiritual ou cósmico nenhum na língua, o escritor bíblico está apenas expressando como se tivesse. Nesse caso, está no sentido de “caluniar, difamar, maldizer, condenar” (tipo: Ec.8.4). As palavras hebraicas que se significam “poder” espiritual ou cósmico literalmente são: “El” (Gn.31.29) e “koach” (Êx.9.16).

Quando Jesus trata com a figueira, a palavra dele foi de maldição, mas no sentido de “condenação”. Veja: “E, vendo de longe uma figueira com folhas, foi ver se nela, porventura, acharia alguma coisa. Aproximando-se dela, nada achou, senão folhas; porque não era tempo de figos. Então, lhe disse Jesus: Nunca jamais coma alguém fruto de ti! E seus discípulos ouviram isto”. (Mc.11.13,14). Mais adiante Pedro relata: “Então, Pedro, lembrando-se, falou: Mestre, eis que a figueira que amaldiçoaste secou”. (idem v.21). Observe que em momento algum a interpretação do texto sofre influências de misticismo ou esoterismo. Por quê? Por que não introduzi ao texto o entendimento brasileiro sobre “maldição”, mantive o pensamento que está revelado nas Escrituras. Nesse entendimento, a expressão MALDIÇÃO HEREDITÁRIA torna-se sem sentido algum à luz da Bíblia. Porque a “maldição” não é vista nas Escrituras como “feitiço mau”. Por isso que os neopentecostais pregam tanto a conhecida “quebra de maldição”. Isto é, “quebra do feitiço mau”. O erro todo nasce do entendimento equivocado de “maldição”. Fazem um anacronismo sincrético. Ou seja, fazem uma confusão de crenças e entendimentos religiosos quando vão para o texto bíblico que fala de “maldição”. Isso ocorre porque o próprio neopentecostalismo é um sincretismo religioso descarado. Uma vez que maldição quer dizer “condenação” (ou juízo) ou “destruição” ou “desgraça (ausência da graça) quando se refere aos atos divino. Fica sem harmonia o termo MALDIÇÃO HEREDITÁRIA. Façamos a substituição das palavras que significam maldição na Bíblia e veja se as frases fazem sentido:

CONDENAÇÃO HEREDITÁRIA? DESGRAÇA HEREDITÁRIA? DESTRUIÇÃO HEREDIRÁRIA?Existe?

Basta lermos os seguintes textos:

“A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai, a iniqüidade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a perversidade do perverso cairá sobre este”. (Ez.18.20).

“Que tendes vós, vós que, acerca da terra de Israel, proferis este provérbio, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram? Tão certo como eu vivo, diz o SENHOR Deus, jamais direis este provérbio em Israel”. (idem v.2,3).

“Naqueles dias, já não dirão: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram. Cada um, porém, será morto pela sua iniqüidade; de todo homem que comer uvas verdes os dentes se embotarão”. (Jr.31.29,30).

Ora, além de todos esses versículos provando que tal pensamento é equivocado. Ainda temos uma pergunta retórica que não quer calar: se Deus está condenando ou destruindo ou trazendo desgraça a alguém quem pode quebrar isso?

Eu só conheço JESUS. Dele está escrito: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar (porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro)”. (Gl.3.13). Ora, todo o juízo (maldição) é provindo da lei (idem v.10) conforme lemos em Deuteronômio 28.16-19 e também 1Coríntios 15.56. Torna-se mais sem sentido ainda alguém se propor quebrar essa condenação (maldição) exceto JESUS.

ONDE ESTÁ A MALDIÇÃO HEREDITÁRIA?

O que pode haver é que Deus condena (amaldiçoa) alguém e os filhos sofrerem as conseqüências disso. Mas, não a condenação em si. O fato é que não existe na Bíblia o termo e nem o entendimento denominado MALDIÇÃO HEREDITÁRIA.

Exemplo vivencial:
Um pai de família comete um crime, e por isso é preso. A esposa e os filhos vão sofrer as conseqüências disso. Tipo: dificuldades financeiras (se o pai for o único provedor da casa), vergonha, ausência paterna no lar, etc. Nada mais do que isso.

É nesse contexto que Êxodo 20.5 diz:
“Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque eu sou o SENHOR, teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem”.

Note que essa postura divina é somente quanto ao pecado da idolatria, pois não vemos essa mesma citação referindo-se aos demais.

ENTÃO QUAL A VISÃO CORRETA?

A posição bíblica, ortodoxa sobre o assunto é que há pecados que se perpetuam pelas famílias. Ou seja, há PECADOS DE FAMÍLIAS. Dar sentido a expressão “condenação”. Isto é, junto aos pecados de famílias vem o juízo (maldição) de Deus. E se perpetuam (tornam-se hereditários) porque não há arrependimento. Assim, quem se envolve na prostituição está trazendo uma iniqüidade para a sua família, que poderá ser praticada por outros familiares. E isso não é automático, é propício que aconteça. A Palavra de Deus diz:

“Um pouco de fermento leveda toda a massa”. (Gl.5.9).

“Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda?”. (1Co.5.6).

Nisso, não há feitiço algum. É o mau exemplo se propagando. Torna-se modelo para outros daquela família. O mesmo ocorre com os demais pecados.

Para Satanás é mais fácil trabalhar um pecado que já vem se desenvolvendo dentro de uma família do que ele introduzir outro. Ele age na facilidade: “nem deis lugar ao diabo”. (Ef.4.27).

Não si enganem, toda a base da sociedade é a família. As iniqüidades nascem dela. Se não fosse assim o mundo não padecia no maligno: “Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno”. (1Jo.5.19).

Portanto, quando alguém se arrepende de seus pecados, Deus retira de sobre essa pessoa toda a maldição (condenação, juízo, desgraça, destruição). Só a misericórdia de Deus por meio de Jesus Cristo pode trazer o perdão sobre tal pessoa. Se você se perguntar: o que traz maldição para alguém? A desobediência a lei divina, o pecado. E só com o arrependimento sincero e a entrega da vida a Cristo pode remover a maldição. Como está escrito:

“As vossas iniqüidades desviam estas coisas, e os vossos pecados afastam de vós o bem”. (Jr.5.25).

“Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça”. (Is.59.2).

“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados”. (At.3.19).

“O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia”. (Pv.28.13).

“As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim”. (Lm.3.22).

“Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus”. (Rm.8.1).

Todavia, Deus não removerá as conseqüências:

“Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará”. (Gl.6.7).

Alguém, uma vez em Cristo, e uma vez salvo e perdoado, afirmar que tem que fazer uma campanha de quebra de maldição está negando a suficiência de Cristo e a misericórdia divina E pior ainda: querer quebrar as conseqüências de pecados cometidos é uma afronta a justiça de Deus. Ou se alguém quiser quebrar maldição que está sobre sua vida sem se converter, sem se entregar a Cristo fará uma tentativa frustrada. Como está escrito:

“Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus”. (Jo.3.36).

“... porque sem mim nada podeis fazer”. (Jo.15.5).

A Deus toda glória!

A paz de Jesus aos leitores em:
USA, Bélgica, Portugal, Holanda, Rússia e Alemanha.


Dúvidas e esclarecimentos escreva para: web-assessoria@bol.com.br
Direito de resposta: coloque abaixo seu comentário e aguarde a liberação do moderador do blog.

2 comentários:

MNellis disse...

Quando um herético usa texto fora de contexto, é uma introdução de uma heresia ou sofisma, mas vale o mesmo para os que são anti-herético. Foram usados textos para argumentar contra o "movimento da hereditariedade", que nada tem a ver com o contexto...
vale dois pesos e duas medidas?
Seja menos manipulador, e mais Verdadeiro, que a obra é do Espírito Santo de convencer do erro, da injustiça e do engano.. e Ele não precisa de ajudinha.

Daniel Durand disse...

Observação: Não responderei aos comentários, deixei-os abertos para direito de resposta. Dúvidas e mais esclarecimentos sobre os meus textos, escreva para:
web-assessoria@bol.com.br