quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

TEOLOGIA RELACIONAL















Um novo gênesis... E disse os homens: “Façamos um deus conforme a nossa imagem e semelhança”.

O QUE É ISSO?

É uma corrente que traz uma nova matriz de fé para a igreja, rompendo com a crença evangélica predominante. Esta nova teologia é parecida com “Teísmo Aberto” norte americano divulgado pelos teólogos Clarck Pinnock, Richard Rice, John Sanders, William Hasker e David Basinger. Havendo algumas diferenças entre uma e outra. Outras curiosidades sobre este termo teológico confira no texto: “Teologia Relacional – que bicho é esse?” no site de Ricardo Gondim

SUAS RAÍZES

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

A Igreja Local de Witness Lee é uma seita?















Toda seita adiciona algo a Palavra de Deus (a Bíblia), subtrai algo da pessoa de Jesus, multiplica por obras a obra da salvação e divide a fidelidade entre Deus e a organização. Baseado nessas quatro operações, a Igreja Local de Witness Lee possui forte identificação:

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

WEB NOTÍCIA: SAIU MATÉRIA NO JORNAL O POVO

A MATÉRIA QUE ESCREVI AQUI COM O TÍTULO:
"TIPOS DE IMAGENS" foi editada no jornal O Povo - Fortaleza, Ce.
Veja o link: link quebrado - redirecionando para referida postagem

Dúvidas e esclarecimentos escreva para: web-assessoria@bol.com.br
Direito de resposta: coloque abaixo seu comentário e aguarde a liberação do moderador do blog.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

A DOUTRINA TRINITARIANA ESTÁ LIGADA A SALVAÇÃO















A doutrina da salvação depende da cooperação dos membros distintivos do Deus trino e uno (Efésios 1.3-14). Por isso, renunciar deliberadamente a doutrina da Trindade ameaça gravemente a nossa esperança de salvação pessoal. As Escrituras incluem todos os membros da raça humana na condenação universal do pecado (Romanos 3.23), e por isso, todos precisam de salvação; a doutrina da salvação requer um Salvador adequado, ou seja: uma cristologia adequada. Uma cristologia sadia exige um conceito satisfatório de Deus, isto é, uma teologia especial e sadia que nos traz de volta à doutrina da Trindade. Qualquer conceito fora desse como, por exemplo: Modalista, Unicista, Unitarista, Russelita ou até mesmo Opentista. Fere totalmente a exposição bíblica do Salvador como MEDIADOR desta reconciliação.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

DECLARAÇÃO DOS REFORMADORES

















Uma análise contextualizada com a época.
Em memória ao dia 31/10/1517.

SOLA SCRIPTURA (somente a Escritura – a Bíblia)
Diferente da Igreja de Roma, a Igreja Reformada só aceita a Bíblia Sagrada como Palavra de Deus (1). Única regra de fé e prática do cristão (2). Os dogmas e as tradições da Igreja de Roma NÃO SÃO Palavras de Deus.

SOLUS CHRISTUS (somente Cristo)
Diferente da Igreja de Roma, a Igreja Reformada só eleva as suas orações ao Pai em nome de Jesus. Pois foi assim que ele nos ensinou (3). Somente Cristo pode interceder pela humanidade (4). E somente Cristo pode salvar o pecador (5). O sacrifício de Jesus foi suficiente para nos purificar de todo pecado (6). Em Cristo toda oferta pelo pecado é dispensada (7).

SOLA GRATIA (somente a graça)
Diferente da Igreja de Roma, a Igreja Reformada não acredita que o homem seja salvo por meio de suas obras, mas exclusivamente pela graça divina sobre sua vida, conforme nos ensina as santas Escrituras (8).

SOLA FIDE (somente a fé)
Diferente da Igreja de Roma, a Igreja Reformada crê que somente por meio da fé a humanidade conseguirá sair de sua condição de condenação (9). De nada vão adiantar obras, sacramentos ou penitências.

SOLI DEO CLORIA (só à Deus a glória)
Diferente da Igreja de Roma, a Igreja Reformada não reparte a glória divina com ninguém (10). A glória pertence exclusivamente a Deus (11), ele é o Deus da glória (12). Nosso culto se resume exclusivamente ao trino Deus e a mais ninguém (13). A Igreja Reformada dispensa a dulia (14) e a hiperdulia (15).

ÍNDICES:

sábado, 4 de outubro de 2008

IGREJAS EMERGENTES










Esse mais novo modismo, que se espalha no meio cristão mundial, chega ao Brasil e vem com um pacote cheio de novas doutrinas, são elas: teologia narrativa, teologia quântica, ortodoxia generosa, universalismo e teísmo aberto.

Talvez você não ouse falar de nenhuma delas ou se ouviu, não tem opinião formada sobre o assunto ou não sabe bem o que é ou não é assunto do seu interesse. O fato é que elas estão se tornando populares em nosso país e vem se alastrando sutilmente pelas Igrejas cristãs.

O QUE É IGREJA EMERGENTE?

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

LINHAS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA



Quando nos deparamos com o texto bíblico, surgem várias interpretações. E é deste momento que nascem as correntes de pensamentos. Que podem ser prejudicial para a frágil unidade da Igreja Cristã ou podem ser edificante. Digo “frágil unidade” porque nosso conceito de “verdade” também é frágil. Apesar do grande número de livros evangélicos, igrejas, músicos, cantores, pastores, teólogos e apologistas, nossa credibilidade a respeito da Bíblia, da mensagem do evangelho e das doutrinas bíblicas deixa muito a desejar. Assim, a nossa unidade fica comprometida, porque biblicamente o que une a Igreja de Cristo é a verdade. Cristo orou por nossa união em João 17. E note que no verso 17 ele pede ao Pai: “Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade”. Ora se nos dedicarmos ao conhecimento da verdade iremos cada vez mais nos unir. Porque Jesus nos mostrou claramente na narrativa dos evangelhos que a verdade é uma só e que pode ser conhecida. Para não ser tão exaustivo em minha introdução, tomemos como exemplo as passagens de Jo.14.6: “...Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”. Observe que o artigo é DEFINIDO! Jesus não disse que era “um” caminho, ou “uma” verdade ou “uma” vida. Veja também Jo.8.32: “e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. Note que Jesus apresenta a verdade “cognoscível”, ou seja, que poder ser conhecida.

Existem atualmente pelo menos quatro linhas de interpretação do texto bíblico: Ortodoxia, heterodoxia, ortodoxia generosa e a ultra-ortodoxia.

domingo, 3 de agosto de 2008

A Teologia Relacional e sua semelhança com o Kenoticismo


A doutrina kenótica diz que Jesus não era Deus quando esteve aqui na Terra. Afirmam isso, por interpretarem erroneamente, em Filipenses 2.7, o termo “aniquilou-se”, ou “esvaziou-se”, concernente a Cristo. O termo “kenoticismo” deriva-se da palavra grega “kneoo”, que traduzimos no texto supracitado para “aniquilou-se” ou “esvaziou-se”. Porém nenhum mestre do grego, em sã consciência, afirmaria que esse verbo grego significaria deixar de ser Deus ou deixar aquilo que faz parte da sua natureza ou prerrogativa divina, que são os seus atributos. Cristo não poderia abrir mão de algo que lhe é inerente! A Bíblia nos diz: "se somos infiéis, ele permanece fiel, pois de maneira nenhuma pode negar-se a si mesmo" (2Timóteo 2.13).

quinta-feira, 31 de julho de 2008

TIPOS DE IMAGENS


Quando lemos a passagem de Êxodo 20.4,5 fazemos a seguinte pergunta: TODA IMAGEM CONFECCIONADA É PECADO DE IDOLATRIA? Creio que não! Existem os "tipos de imagens". Estes tipos é que vão determinar o pecado de idolatria:

quarta-feira, 23 de julho de 2008

AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ É UMA SEITA?


Toda seita adiciona algo a Palavra de Deus (a Bíblia), subtrai algo da pessoa de Jesus, multiplica por obras a obra da salvação e divide a fidelidade entre Deus e a organização. Baseado nessas quatro operações, As Testemunhas de Jeová possuem forte identificação:

HERESIAS AMERICANAS


O mercado norte americano não para de produzir novidades teológicas. Desde o século XX que esta nação tem exportado não só softwares, chips, processadores, carros e celulares. Mas também todo tipo de ensino controverso para atender, das mais antigas até as mais recentes invenções, ao público consumidor evangélico mundial, e principalmente aos brasileiros.

DEFINIÇÃO DE HERESIA
“Heresia é tudo aquilo que em matéria de fé, sustenta opiniões contrárias, excedentes e deturpadas da Palavra de Deus”.
“Contrárias” – não aceitam as doutrinas bíblicas. “Excedentes” – ultrapassam aos ensinamentos bíblicos. “Deturpadas” – desfiguram e alteram as doutrinas da Bíblia.

CONFISSÃO DE FÉ

CREMOS

As Escrituras Sagradas, compostas do Antigo e Novo Testamentos, são inteiramente inspiradas por Deus, infalíveis na sua composição original e completamente dignas de confiança em quaisquer áreas que venham a se expressar, sendo também a autoridade final e suprema de fé e conduta; 

Há um só Deus eterno, poderoso e perfeito, distinto em sua trindade: Pai, Filho e Espírito Santo; 

Jesus Cristo nasceu do Espírito Santo e da virgem Maria, sendo verdadeiro Deus e verdadeiro Homem e o único mediador entre Deus e o homem. Somente Ele foi perfeito em natureza, ensino e obediência; 

O Espírito Santo é o regenerador e santificador dos redimidos, o doador dos dons e frutos espirituais, o Consolador permanente e Mestre da Igreja; 

Em Adão a humanidade foi criada à imagem e semelhança de Deus. Devido à queda de Adão, a humanidade tornou-se radicalmente corrupta e distanciada de Deus. O essencial para o homem é a restauração de sua comunhão com Deus, a qual o homem é incapaz de operar por si mesmo; 

A salvação eterna, dom de Deus, tem sido providenciada para o homem unicamente pela graça do Senhor e pela morte vicária de Cristo Jesus. Fé é o meio pelo qual o crente se apropria dos benefícios da salvação da Sua morte; 

Jesus Cristo ressuscitou fisicamente dentre os mortos, ascendeu aos céus e voltará na consumação dos séculos para julgar os homens; 

A punição eterna, incluindo a separação e perda de comunhão com Deus, é o destino final do homem não regenerado e Satanás com todos os seus anjos; 

A Igreja cristã, o corpo e a noiva de Cristo, é consagrada à adoração e ao serviço de Deus através da proclamação fiel da Palavra, a prática de boas obras e a observância do Batismo e da Ceia do Senhor; 

A tarefa da Igreja é ensinar a todas as nações, fazendo com que o Evangelho produza frutos em cada aspecto da vida e do pensamento. A missão suprema da Igreja é a salvação das almas. Deus transforma a natureza humana, tornando-se isto, então, o meio para a redenção da sociedade.

Compilado do Instituto Cristão de Pesquisas - ICP
O Blog Anti-Heresias tem mesma confissão de fé.

CREMOS NOS CINCO FUNDAMENTOS:

1) A inspiração da Bíblia pelo Espírito Santo e a inerrância das Escrituras como resultado disto.

2) O nascimento virginal de Cristo.

3) A crença de que a morte de Cristo foi a redenção para o pecado.

4) A Ressurreição de Jesus.


5) A realidade histórica dos milagres de Jesus.

Primeira formulação das crenças do fundamentalismo.

CREMOS NAS CINCO SOLAS

SOLA SCRIPTURA (somente a Escritura – a Bíblia).

“Reafirmamos a Escritura Inerrante como fonte única de revelação divina escrita, única para constranger a consciência. A Bíblia sozinha ensina tudo o que é necessário para nossa salvação do pecado, e é o padrão pelo qual todo comportamento cristão deve ser avaliado. Negamos que qualquer credo, concílio ou indivíduo possa constranger a consciência de um crente, que o Espírito Santo fale independentemente de, ou contrariando, o que está exposto na Bíblia, ou que a experiência pessoal possa ser veículo de revelação”.

SOLUS CHRISTUS (somente Cristo).

“Reafirmamos que a nossa salvação é realizada unicamente pela obra mediadora do Cristo histórico. Sua vida sem pecado e sua expiação, por si só, são suficientes para nossa justificação e reconciliação com o Pai. Negamos que o evangelho esteja sendo pregado se a obra substitutiva de Cristo não estiver sendo declarada e a fé em Cristo e em sua obra não estiver sendo invocada”

SOLA GRATIA (somente a graça).

“Reafirmamos que, na salvação, somos resgatados da ira de Deus unicamente pela graça. A obra sobrenatural do Espírito Santo é que nos leva a Cristo, soltando-nos de nossa servidão ao pecado e nos erguendo da morte espiritual à vida espiritual. Negamos que a salvação seja, em qualquer sentido, obra humana. Os métodos, as técnicas e/ou estratégias humanas, por si só, não podem realizar essa transformação. A fé não é produzida pela nossa natureza não-regenerada”.

SOLA FIDE (somente a fé).

“Reafirmamos que a justificação é somente pela graça, somente por intermédio da fé e somente por causa de Cristo. Na justificação a retidão de Cristo nos é imputada como único meio possível de satisfazer a perfeita justiça de Deus. Negamos que a justificação se baseie em qualquer mérito que em nós possa ser achado, ou com base numa infusão da justiça de Cristo em nós; ou que uma instituição que reivindique ser Igreja, mas negue ou condene o princípio da sola fide, possa ser reconhecida como Igreja legítima”.

SOLI DEO CLORIA (somente para Deus é a glória).

“Reafirmamos que, como a salvação é de Deus e realizada por Deus, ela é para glória de Deus e devemos glorificá-lo sempre. Devemos viver a nossa vida inteira perante a face de Deus, sob a autoridade de Deus, e para a sua glória somente. Negamos que possamos apropriadamente glorificar a Deus se o nosso culto for confundido com entretenimento, se negligenciarmos o evangelho e nossa pregação, ou se permitirmos que o afeiçoamento próprio, a auto-estima e a auto-realização se tornem opções alternativas ao evangelho”.

Resumo das 95 teses de Martinho Lutero.

CREMOS NOS CREDOS HISTÓRICOS

No credo Apostólico:

Creio em Deus, o Pai onipotente, criador dos céus e da terra.

E em Jesus Cristo, seu Filho único, nosso Senhor, o qual foi concebido do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu aos infernos, no terceiro dia ressuscitou dos mortos, subiu aos céus; está sentado à destra de Deus, o Pai onipotente, donde há de vir para julgar os vivos e os mortos.

Creio no Espírito Santo, na santa igreja cristã; na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne e na vida eterna. Amém.

No credo Niceno

Creio em um só Deus, o Pai onipotente, criador dos céus e da terra, de todas as coisas, visíveis e invisíveis.

E em um só Senhor Jesus Cristo, Filho unigênito de Deus e nascido do Pai antes de todos os séculos, Deus de Deus, Luz de Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não feito, consubstancial ao Pai, por quem foram feitas todas as coisas; o qual, por amor de nós homens e por nossa salvação, desceu dos céus, e encarnou, pelo Espírito Santo, na virgem Maria, e se fez homem; foi também crucificado em nosso favor sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado; e ao terceiro dia ressuscitou, segundo as Escrituras; e subiu aos céus, está sentado à destra do Pai; e virá pela segunda vez, em glória, para julgar os vivos e os mortos; e seu reino não terá fim.

E no Espírito Santo, Senhor e vivificador, o qual procede do Pai e do Filho; que juntamente com o Pai e o Filho é adorado e glorificado; que falou pelos profetas.

E na igreja, una, santa, universal e apostólica.

Confesso um só batismo para remissão dos pecados, e espero a ressurreição dos mortos e a vida do século vindouro. Amém.

No credo Atanasiano

Todo aquele que quer ser salvo, antes de tudo deve professar a fé cristã. Quem quer que não a conservar íntegra e inviolada, sem dúvida perecerá eternamente. E a fé cristã consiste em venerar um só Deus na Trindade e a Trindade na unidade, sem confundir as pessoas e sem dividir a substância. Pois uma é a pessoa do Pai, outra a do Filho, outra a do Espírito Santo; Mas uma só é a divindade do Pai e do Filho e do Espírito Santo, igual a glória, coeterna a majestade. Qual o Pai, tal o Filho, tal também o Espírito Santo. Incriado é o Pai, incriado o Filho, incriado o Espírito Santo. Imenso é o Pai, imenso o Filho, imenso o Espírito Santo. Eterno o Pai, eterno o Filho, eterno o Espírito Santo; Contudo, não são três eternos, mas um único eterno; Como não há três incriados, nem três imensos, porém um só incriado e um só imenso. Da mesma forma, o Pai é onipotente, o Filho é onipotente, o Espírito Santo é onipotente; Contudo, não há três onipotentes, mas um só onipotente. Assim, o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus; E, todavia, não há três Deuses, porém um único Deus. Como o Pai é Senhor, assim o Filho é Senhor, o Espírito Santo é Senhor; Entretanto, não são três Senhores, porém um só Senhor. Porque, assim como pela verdade cristã somos obrigados a confessar que cada pessoa, tomada em separado, é Deus e Senhor, assim também estamos proibidos pela religião cristã de dizer que são três Deuses ou três Senhores. O Pai por ninguém foi feito, nem criado, nem negado. O Filho é só do Pai; não feito, nem criado, mas gerado. O Espírito Santo é do Pai e do Filho; não feito, nem criado, nem gerado, mas procedente. Há, portanto, um único Pai, não três Pais; um único Filho, não três Filhos; um único Espírito Santo, não três Espíritos Santos. E nesta Trindade nada é anterior ou posterior, nada maior ou menor; porém todas as três pessoas são coeternas e iguais entre si; de modo que em tudo, conforme já ficou dito acima, deve ser venerada a Trindade na unidade e a unidade na Trindade. Portanto, quem quer salvar-se, deve pensar assim a respeito da Trindade. 

Mas para a salvação eterna também é necessário crer fielmente na encarnação de nosso Senhor Jesus Cristo. A fé verdadeira, por conseguinte, é crermos e confessarmos que nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, é Deus e homem. É Deus, gerado da substância do Pai antes dos séculos, e é homem, nascido, no mundo, da substância da mãe. Deus perfeito, homem perfeito, subsistindo de alma racional e carne humana. Igual ao Pai segundo a divindade, menor que o Pai segundo a humanidade. Ainda que é Deus e homem, todavia não há dois, porém um só Cristo. Um só, entretanto, não por conversão da divindade em carne, mas pela assunção da humanidade em Deus. De todo um só, não por confusão de substância, mas por unidade de pessoa. Pois, assim como a alma racional e a carne é um só homem, assim Deus e homem é um só Cristo; O qual padeceu pela nossa salvação, desceu aos infernos, ressuscitou dos mortos, subiu aos céus, está sentado à destra do Pai, donde há de vir para julgar os vivos e os mortos. À sua chegada todos os homens devem ressuscitar com os seus corpos e vão prestar contas de seus próprios atos; E aqueles que tiverem praticado o bem irão para a vida eterna; aqueles que tiverem praticado o mal irão para o fogo eterno. Esta é a fé cristã. Quem não a crer com fidelidade e firmeza, não poderá salvar-se.

Na definição Calcedoniana

Portanto, conforme os santos pais, todos nós, de comum acordo, ensinamos os homens a reconhecer um e o mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, totalmente completo na divindade e completo em humanidade, verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, que consiste também de uma alma racional e um corpo; da mesma substância (homoousios) com o Pai no que concerne à sua divindade e ao mesmo tempo de uma substância conosco, concernente à sua humanidade; semelhante a nós em todos os aspectos, exceto no pecado; concernente à sua divindade, gerado do Pai antes das eras, ainda que também gerado como homem, por nós e por nossa salvação, da virgem Maria; um e o mesmo Cristo, Filho, Senhor, Unigênito, reconhecido em duas naturezas, sem confusão, sem mudança, sem divisão, sem separação; a distinção das naturezas de maneira alguma anula-se pela união; mas, pelo contrário, as característica de cada natureza são preservadas e reunidas, para formar uma pessoa e substância [hypostasis], não partidas ou separadas em duas pessoas, mas um e o mesmo Filho e Deus Unigênito, o Verbo, Senhor Jesus Cristo; assim como os profetas dos tempos antigos falaram dele e o próprio Senhor Jesus Cristo nos ensinou e o credo dos pais foi transmitido para nós.


Observação: por questões pejorativas, foi trocado o nome “católica” por “cristã” ou “universal”.

CONFISSÃO DE FÉ DO BLOG ANTI-HERESIAS.

JURÍDICO

O blog Anti-Heresias, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes nos arts. 5° e 220.

Relembrando os referidos textos constitucionais, as principais disposições normativas, verifica-se:

Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
Art. 5°, IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;
Art. 5°, XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguardo do sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional;
Art. 220 - A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo, não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.
§1° - Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5°, IV, V, X, XIII e XIV;
§2° - É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.

Fonte: Constituição do Brasil